Notícias | Fique por dentro

05

out 2017

FGV constata mais confiança na construção

Índice apurado mensalmente revela melhora disseminada da percepção entre empresas consultadas

Em setembro, pelo quarto mês consecutivo, evoluiu positivamente – de 76,1 pontos em agosto para 77,5 pontos – o Índice de Confiança da Construção (ICST) apurado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A marca registrada pelo ICST ainda está no campo negativo (a linha de corte é de 100 pontos), mas já voltou ao nível de abril de 2015 e revelou melhora disseminada da percepção das 702 empresas consultadas.

A coordenadora de Projetos de Construção da FGV/Ibre, Ana Maria Castelo, ressaltou outro fato: o ICST de setembro mostrou “a sexta alta consecutiva da confiança no segmento Preparação de Terreno, que antecede o início de obras, o que pode significar um cenário menos negativo para as empresas de construção neste segundo semestre”.

A evolução favorável do indicador se deu tanto na percepção do momento presente quanto das perspectivas de curto prazo. O Índice de Expectativas atingiu 89,2 pontos, com destaque para a demanda prevista para os três meses seguintes (ou seja, para o último trimestre de 2017), que avançou 3,9 pontos em relação a agosto e 10,1 pontos entre dezembro de 2016 e setembro de 2017.

Mas, se ainda está em nível insatisfatório o uso da capacidade instalada, de 65,6 pontos ou 6 pontos abaixo da média histórica, o indicador de uso de mão de obra revelou bom comportamento, sob influência dos subitens Obras de Infraestrutura para Energia Elétrica e para Telecomunicações e Obras de Arte Especiais (como pontes, viadutos e túneis).

No conjunto, os indicadores do setor de construção da FGV/Ibre mostram que a atividade ainda é fraca e que a recuperação tende a ser paulatina, dependendo de fatos novos.

Entre os fatos positivos está a baixa inflação medida pelo Índice Nacional de Custo de Construção (INCC) de setembro, com variação de 0,14%, inferior à de agosto (0,4%), indicando que estão controladas as pressões sobre o custo das obras. Em 12 meses, até setembro, o INCC subiu 4,13%, enquanto o subitem Materiais, Equipamentos e Serviços evoluiu 1,71%. Uma novidade negativa é a redução do porcentual financiável do preço dos imóveis usados pela Caixa Econômica Federal, maior agente do crédito imobiliário. Do ritmo de retomada da atividade dependerá a intensidade da reativação do mercado de imóveis

Fonte: Grandes Construçõs

compartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on TumblrShare on LinkedIn0

Mais Notícias